Nossa Gente

Há cinco anos, casal de Colombo escolhe o Jardim Paulista para vender caldo de cana

“Um dia minha mulher estava no Hospital Angelina Caron e alguém disse a ela que ela deveria vender aqui, no Jardim Paulista, foi aí que escolhemos esse local”

O casal Ismael Ferreira de Lima e Eunice dos Santos Lima moram em Colombo, mas há cerca de cinco anos escolheram o Jardim Paulista para ser o ponto de venda de caldo de cana. “Um dia minha mulher estava no Hospital Angelina Caron e alguém disse a ela que ela deveria vender aqui, no Jardim Paulista, foi aí que escolhemos esse local”, conta Ismael.

Ele, que nasceu em São Paulo, mora no bairro Santa Mônica, em Colombo, há 38 anos. “Eu vim de uma família de oito irmãos, meus pais tinham sítio, então nós sempre trabalhamos na roça”. Quando os pais de Ismael venderam o sítio em São Paulo, decidiram se mudar para Umuarama, onde compraram Terras. “Com 17 anos eu cheguei em Umuarama com meus pais e irmãos, ali, continuava trabalhando na roça. Foi então que decidi me mudar para Curitiba, sozinho, para conseguir um emprego”.

Na capital, ele começou a trabalhar na construção civil, como auxiliar de pedreiro; trabalhou com pintura e cobrador de ônibus. “Na época os ônibus eram da empresa Copa Verde e eu trabalhava por turnos, morava com um amigo, o Baiano, na Barreirinha, em Curitiba”. Foi através desse amigo que Ismael conheceu a esposa, com quem se casou aos 22 anos de idade. “A ‘Nice’ trabalhava de diarista naquela época, e eu deixei de ser cobrador para trabalhar como pedreiro. Depois de alguns anos compramos um terreno, em Colombo, e eu mesmo fui construindo nossa casa aos poucos. Até que nos mudamos”.

Ele conta que a ideia do carrinho do caldo de cana surgiu quando a patroa de sua esposa, pra quem ela trabalhou mais de 20 nos, se mudou para o litoral. “Foi aí que ela ficou sem emprego e surgiu a ideia de vender calde de cana. Um dia ela precisou de algum serviço no hospital e lá alguém deu a dica de que o ponto deveria ser o Jardim Paulista, então estamos aqui. Na verdade eu só ajudo ela, pois ainda faço meus bicos de pedreiro, mas ela sofreu um infarto esses dias, então a tenho poupado”.

Eunice sofreu um infarto enquanto trabalhava vendendo seu caldo de cana. “Foi de uma hora para outra, eu estava aqui com ela, mas tinha saído por alguns momentos. Quando cheguei ela estava caída e se eu demorasse um pouco mais de tempo, a tinha perdido”.

Segundo Ismael, a esposa já tinha feito uma cirurgia no coração. “Problemas todos nós temos, acho que esse foi o mais sério que enfrentamos, mas sempre permanecemos juntos, criamos nossos três filhos e agora cuidamos um do outro”.