Paraná

Estiagem ainda é severa e exige ações emergenciais

Desde os primeiros sinais da seca, Sanepar tem adotado medidas para garantir abastecimento público. Com o agravamento, principalmente na RMC, companhia adotou rodízio, antecipou obras e passou a captar em cavas e pedreiras.
O índice de chuvas registrado na quinzena de julho está 60% abaixo da média histórica (Foto: AEN-PR)

O índice de chuvas registrado nesta primeira quinzena de julho confirma o cenário negativo de precipitações ao longo de 2020 e está 60% abaixo da média histórica, segundo dados do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar). Essa condição se reflete diretamente nos níveis dos quatro reservatórios de água para abastecimento público na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), que já registram a preocupante média de 34%.

Embora em junho o padrão atmosférico tenha mudado em relação aos meses anteriores, com chuvas que superaram o volume histórico em algumas regiões do estado, as precipitações concentraram-se em eventos de grande acumulação, como a do último dia do mês.

O 'ciclone bomba', do dia 30 de junho, trouxe ventos de quase 100 quilômetros por hora, causou muitos estragos, principalmente na RMC e no Litoral, mas a chuva que acompanhou provocou apenas um grande escoamento superficial e pouca penetração no solo – conforme explica o Simepar.

BARRAGENS

Sem chuvas suficientes para recuperar o deficit hídrico, em 2020 a Sanepar tem registrado os menores níveis das barragens que compõem o Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (SAIC) – Iraí, Passaúna, Piraquara I e Piraquara II – desde 2009.

Na primeira quinzena de julho, o nível da Barragem do Iraí chegou a 15%.

Na Barragem do Iraí, a primeira a ser utilizada pela Sanepar, os níveis foram baixando mês a mês e, na primeira quinzena de julho, chegaram a 15%. No Passaúna, o nível é de 36,5%; Piraquara I, 33%; e Piraquara II, que é a última a ser utilizada e geralmente mantém-se elevada por mais tempo, está com 88%.

“Nos últimos 10 anos, nunca as barragens chegaram a níveis tão baixos. O mais preocupante é que os prognósticos de chuvas para os próximos meses não são promissores, mantendo-se a previsão de que teremos um volume muito abaixo da média histórica”, afirma o diretor de Meio Ambiente da Sanepar, Julio Gonchorosky.

RODÍZIO

Em Curitiba e Região Metropolitana, a crise hídrica exigiu em março a implantação de rodízio, a princípio nas áreas abastecidas pelo Rio Miringuava, que apresentava vazão muito baixa, insuficiente para garantir regularidade no fornecimento de água.

Com o passar dos meses, a estiagem acentuou a perda de vazão de rios e poços e dos níveis dos reservatórios da RMC, o que levou a Sanepar a estender a medida de forma igual para toda a região. O rodízio reduz diariamente o fornecimento de água para 20% da população, com a meta de garantir níveis mínimos de reservação do SAIC até o período das chuvas, previsto somente para depois de setembro.

MEDIDAS EMERGENCIAIS

Além disso, a Sanepar antecipou obras e implantou captações emergenciais que aumentam o volume de água para abastecimento público. O decreto de crise hídrica do Governo do Estado, de 7 de maio, deu agilidade à Companhia em captação de água em cavas e pedreiras da região, em Fazenda Rio Grande, Pinhais, São José dos Pinhais e Campo Magro.

“São ações mitigatórias que complementam o esforço da população em economizar água. Sem o uso racional da água e sem essas captações emergenciais, o sistema pode colapsar”, diz Gonchorosky.