Nossa Gente

Aos 77 anos e cheia de vida, ela criou mais de 15 filhos

Moradora do bairro Eugênia Maria, dona Maria Júlia Ribeiro de Lima, de 77 anos, está em Campina Grande do Sul há 37 anos. Ela nasceu em Anita Garibaldi-SC.
Maria Júlia Ribeiro de Lima mora em Campina Grande do Sul há 37 anos (Foto: Arquivo pessoal)

Moradora do bairro Eugênia Maria, dona Maria Júlia Ribeiro de Lima, de 77 anos, está em Campina Grande do Sul há 37 anos. Ela nasceu em Anita Garibaldi-SC, onde conheceu o seu esposo, Euclides Bernardino de Lima – nome da rua onde mora – com quem casou aos 21 anos de idade e criou, ao todo, mais de 15 filhos. 


Filha de agricultores, dona Maria Júlia teve dois irmãos. “Quando eu conheci o meu marido, com 20 anos, ele tinha o dobro da minha idade, era viúvo e já tinha seis filhos. Eu tive quatro, enquanto ainda morava em Anita Garibaldi. Depois, fomos embora para a cidade de Lages, também em Santa Catarina, onde eu trabalhava como diarista e o Euclides trabalhou como motorista da empresa Reunidas. Ficamos lá por oito anos”. 


Maria Júlia conta que a família saiu de Santa Catarina e veio para Araucária morar numa chácara. “Naquela época eu estava grávida da minha filha mais nova. Só fomos morar em Curitiba quando meu marido foi trabalhar de vigia num escritório de advocacia. Na capital, eu trabalhava num ateliê de alta costura e gostava muito. Nos mudamos para Campina quando compramos um terreno no Eugênia Maria, pois uma imobiliária estava ofertando nessa região que era pouco povoada”. 


Chegando a Campina, há 37 anos, dona Maria Júlia começou a costurar em casa, depois de fazer vários cursos. “Acredito que todos os vestidos sociais e de noiva das famílias mais tradicionais aqui do município foi eu quem fiz. E até hoje ainda faço por medida, para quem vem me pedir. É uma terapia para mim, eu sempre gostei mesmo de fazer alta costura”. 


“Acredito que todos os vestidos sociais e de noiva das famílias mais tradicionais aqui do município foi eu quem fiz”.


Ao longo de sua vida, dona Maria Júlia criou, além dos filhos biológicos, os seis enteados e uma filha que adotou como sua aos 15 dias de vida, que era filha de uma enteada. “Na verdade eu criei mais de 15 filhos, e hoje a maioria mora perto de mim. Não foi fácil, pois eu venho de uma família humilde. Perdi minha mãe aos cinco anos de idade, fui criada pelos meus tios e aos 11 anos comecei a trabalhar na roça. Fui terminar a escola primária só depois de casada. Mas, mesmo com tantas lutas hoje eu colho todo o carinho que distribuí durante a vida”. 

Hoje, além da costura, Maria Júlia tem muitas atividades: é ministra da eucaristia na igreja, já foi catequista e faz parte de todas as pastorais. “Eu também faço os exercícios oferecidos na Prefeitura, na Praça do Céu, faço yoga, participo da melhor idade no centro do idoso que, aliás, estamos muito bem atendimentos pelo município”. Recentemente, ela foi eleita a Princesa do baile da terceira idade, evento realizado durante as festividades de Nossa Senhora de Fátima, no Santuário do Jardim Paulista.  “Agora também estou escrevendo um livro, mas vou ao meu ritmo, pois tenho pouco estudo. Acima de tudo, sou uma pessoa feliz. Tenho saúde, uma família maravilhosa que nunca me deu desgosto e meus amigos”.